Russia
Select country
  • Europe
  • North America
  • South America
  • Asia / Pacific
  • Middle East / Africa

Dispositivos de proteção eletrosensíve

 

OBSERVAÇÃO

Por que "Tipo" e não "Categoria”?
Os dois "Tipos" diferem em seu desempenho relacionado à segurança e são relacionados às categorias da ISO 13849-1, mas não têm o mesmo significado do que aqui, para definir o grau de integridade de segurança, parâmetros adicionais além da arquitetura do sistema e para os tipos de falhas de hardware e software são considerados que são relacionadas à tecnologia de detecção utilizada (substancialmente óptica); eles dizem respeito sobretudo à imunidade à interferência da luz e às características dos projetos dos sistemas ópticos.
 

ELEMENTOS CARACTERÍSTICOS

As cortinas de luz são dispositivos de proteção eletrosensíveis (ESPE) que usam um ou mais feixes de luz, emitidos por um Emissor e recebidos por um Receptor, para criar uma área controlada intangível.

Quando o dispositivo de segurança escolhido for uma barreira fotoelétrica (Dispositivo de Proteção Optoeletrônico Ativo, AOPD), será necessário pertencer ao TIPO 2 ou TIPO 4, conforme estabelecido pelo Padrão Internacional IEC 61496 1-2.

 

Novos parâmetros de segurança para as cortinas de luz do Tipo 2

Com a publicação da Edição 3 do padrão EN 61496-1 harmonizado, não mais será possível usar cortinas de luz de segurança do Tipo 2 para funções de segurança avaliadas como SIL 2 / PL d. Se um nível de segurança de SIL 2 / PL d (ou superior) for necessário e entretanto não for pretendida a utilização de uma cortina de luz de segurança, será então necessário usar uma cortina de luz de segurança do Tipo 4.

Este requisito regulatório resulta do fato de que a redução do risco que pode ser obtida através de uma cortina de luz de segurança fotoelétrica não é apenas uma função do nível de segurança de suas partes eletrônicas, mas é também determinada por suas potencialidades sistemáticas (por exemplo, influências ambientais, EMC, desempenho óptico e princípio de detecção).

A potencialidade sistemática da cortina de luz fotoelétrica do Tipo 2 pode de fato não ser suficiente para assegurar a redução de risco adequada para as aplicações SIL 2 / PL d. O padrão também estabelece que a etiquetagem das cortinas de luz de segurança do Tipo 2 devem indicar tal limitação para SIL 1 / PL c.

Os valores de PFHd declarados para a parte de controle eletrônica do dispositivo, por outro lado, não são limitadas e portanto é possível usar o valor PFHd fornecido pelo fabricante do dispositivo na avaliação global da função de segurança, mesmo se ela exceder a faixa de SIL 1 / PL c.

 

Altura protegida

Essa é a altura controlada pela cortina de luz.
Se ela for posicionada horizontalmente, esse valor mostrará a profundidade da zona protegida.

 

Faixa

Essa é a distância de trabalho máxima que pode existir entre o emissor e o receptor. Quando os espelhos de deflexão forem usados, será necessário considerar o fator de atenuação introduzido por cada um deles, que é de aproximadamente 15%.

 

Tempo de resposta

Esse é o tempo que leva para a cortina de luz transmitir o sinal de alarme a partir do horário em que a zona protegida é interrompida.

 

Resolução

A resolução de uma cortina de luz é o tamanho mínimo de um objeto que, colocado em uma área controlada, obscurecerá a zona controlada e consequentemente interromperá o movimento perigoso da máquina.

  •  Barreiras de luz de feixe único: sua resolução R é a mesma do diâmetro das lentes.
  • Cortinas de luz de feixes múltiplos: sua resolução R é a mesma da soma do diâmetro das lentes + a distância entre duas lentes adjacentes.

    R = D
    R = P+D
fig17

 

 

VANTAGENS DAS CORTINAS DE LUZ

  • Proteção eficaz no caso de fadiga ou distração do operador.
  • Aumento da capacidade produtiva da máquina uma vez que a cordina de luz não exige manuseio manual dos protetores físicos ou espera até que eles abram.
  • Operações mais rápidas de carga/descarga da máquina.
  • Tempos de resposta de aproximação com as áreas de trabalho.
  • Eliminação do risco de adulteração uma vez que qualquer intervenção irregular na cortina de luz para a máquina.
  • Instalação simples e rápida, com maior flexibilidade de ajuste na máquina, mesmo no caso de reposicionamento subsequente.
  • Possibilidade de formar proteções de grande porte, sejam lineares ao ao longo de um perímetro, em diversos lados, a custos substancialmente reduzidos.
  • Manutenção facilitada e rápida da máquina, uma vez que não existe a necessidade de remover os protetores físicos, tais como grades, portões, etc.
  • Aparência aperfeiçoada e eficácia ergonômica da máquina.

 

Próximo ... A especificação técnica IEC 62046